Seja bem vindo, boa leitura, será um prazer teu comentário.
Ataíde Lemos
Palavras, uma viagem pelos sentimentos.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Finalmente, um final feliz

 

            Paulo era um empresário bem sucedido de uma pequena cidade do interior e sua esposa, Cleide, atuava como professora de um colégio estadual.

     O casal tinha apenas um filho, Tiago, a família freqüentava todos os eventos sociais e tinha uma vida religiosa ativa. O nascimento de Tiago foi complicado; Cleide tinha dificuldades de engravidar e teve que fazer vários tratamentos até que, finalmente, conseguiu, porém foi uma gestação que mereceu muitos cuidados. Tiago foi muito desejado pelos pais, que procuraram dar tudo para ele, já que seria o único filho, porque, após o parto, Cleide teve que fazer uma cirurgia para não ter mais filhos.

           Sem que o casal percebesse, estavam dando uma educação errada ao filho, pois faziam todas as suas vontades, não impunham limites e também super-protegiam, isso fazia com que o menino não enfrentasse sofrimento e assim, não aprendesse lidar com as frustrações.            

Tiago foi crescendo e, dentro dele, havia muitas angustias, embora tivesse todo carinho e proteção dos pais sentia falta de um irmão, sentia-se sozinho e isso o transformou numa pessoa muito tímida e angustiada, fazendo com quê as pessoas confundissem pensando que ele era um garoto quieto.  

            Na medida que o tempo passava, Tiago se fechava dentro de sua angustia e seus pais não percebiam esta mudança de comportamento.

Muitas vezes, quando o viam deprimido, ao invés de conversar com ele procuravam dar presentes, acreditando que era coisa da idade. Não davam tanta importância e, assim, foram vários anos...

            Tiago conheceu Marcio, que estudava na mesma escola e  era um garoto muito diferente dele; era falante, fazia amizades com facilidade e estava sempre rodeado de meninas. Dentre as amigas de Marcio existia uma, a Simone, que era especial para Tiago e ele vivia a paquerá-la, no entanto, sua timidez não o deixava aproximar-se dela para fazer amizade e declarar seu amor.

            Teve a idéia de torna-se amigo de Marcio, para aproximar de Simone, e assim o fez. O que ele não sabia é que Marcio era usuário de drogas. Pouco a pouco eles ficaram grandes amigos, até que Tiago pediu que lhe ajudasse a aproximar-se de Simone, dizendo que era muito tímido. Foi ai que Marcio lhe ofereceu um cigarro de maconha, para que perdesse a timidez e se aproximasse dela. No primeiro momento, Tiago relutou, mas depois pensou: “é só uma vez mesmo e eu vou arriscar, depois não uso mais”, ao fumar sentiu uma euforia que jamais havia sentido. Parece que fumou uma porção mágica, aos pouco estava falante, totalmente irreconhecível daquele garoto tímido. Aproximou de Simone, fez amizade e se sentia completamente solto, porém quando acabava o efeito da droga voltava novamente sua timidez.

            Com a droga se sentia bem e também conseguia conquistar o coração de Simone, até começaram a namorar e, para ter sempre a maconha, estava criando laços profundos de amizades com Marcio.  

            Com o passar do tempo, Tiago se transformou num outro garoto diferente e, fazendo uso de outras drogas, seu comportamento mudou completamente. Vivia pedindo dinheiro aos pais e, às vezes, até agia com certa agressividade e os pais lhe davam.

            Ainda que, algumas vezes, Tiago fosse malcriado, os pais acreditavam que tal comportamento fizesse parte da idade, “coisas de adolescente”, no entanto, não era. Tiago já se encontrava dependente e o dinheiro era para adquirir maconha e outras drogas.

            Certa vez Cleide, mexendo no material escolar do filho, deparou com um papelote e nele havia uma porção de “mato”. Naquele momento ela entrou em choque, em sua cabeça era maconha e ela não conseguia acreditar no que estava acontecendo. Teve uma crise de choro, sem saber o que fazer. Pensou em contar para Paulo, mas tinha medo de qual seria a reação dele. Resolveu chamar Tiago e ter uma conversa, porém ele negou tudo, disse que nunca havia fumado maconha, nem sabia o que era aquilo, que deveria ser alguma coisa boba, e que ela estava preocupada sem motivo. Enfim, ele fez de tudo pra enrolar a mãe, mas coração de mãe nunca se engana, pode até fingir, mas não se engana nunca.

            Cleide, a partir daquele momento mudou, passou a ser uma pessoa triste, não conseguia mais dormir, até que começou a fazer uso de calmantes. Paulo estava estranhando a mudança, tão repentina de sua mulher, e sempre indagava o que estava ocorrendo, mas ela vivia a esconder. Neste período o casal, que jamais havia discutido seriamente, começou a se desentender porque Cleide sempre desviava o assunto e Paulo ficava pensando que o problema era com ele. 

            Certo dia houve uma batida policial na escola e Tiago foi pego com maconha, encaminhado para delegacia e lá, em seguida, foi acionado o Conselho Tutelar que ligou para casa de Paulo. Ao atender foi informado que deveria comparecer à delegacia, juntamente com sua esposa. Foi um choque para Paulo e Cleide e, com a responsabilidade de tratar o filho, foram liberados pela Justiça para que tomassem as providencias.

            A partir daquele episódio os pais ficaram completamente perdidos, sem entender e nem saber o que fazer. Um culpava o outro, transferindo as responsabilidades pelo filho encontrar-se naquele estado.

           Paulo e Cleide começaram a acompanhar mais de perto o filho, porem, o garoto estava dependente e sempre arrumava um jeito de adquirir as drogas. Transformou-se num garoto rebelde, já não gostava mais de estudar e sempre seus pais eram chamados na escola. Aquela situação, cada vez mais, prejudicava a saúde de Cleide e Paulo passou a chegar em casa altas horas, as vezes até embriagado.

            O casal pouco conversava e se distanciava cada dia mais, até que um dia Cleide, conversando com uma amiga que também tinha um filho envolvido com drogas, lhe aconselhou participar de um grupo de mútua ajuda, que funcionava numa sala da paróquia onde moravam. Incentivada pela amiga, começou a freqüentar este grupo e descobriu que o que ela vivia era algo comum; muitas famílias também viviam o drama das drogas, e isto lhe deu forças. As pessoas ali sentiam segurança porque uma apoiava a outra, também ouviam muitas histórias de filhos que saíram das drogas porque os pais haviam mudado suas atitudes com eles.

            Cleide conseguiu convencer Paulo também a participar do grupo e assim, toda semana, começaram a freqüentar as reuniões com firmeza e propósito.

            Embora Tiago ignorasse seus pais por estar completamente dependente, o casal, devagar, foi novamente conquistando o filho, até que começaram a dialogar em casa.

            Certo dia, Tiago, ao fazer uso de uma grande quantidade de cocaína teve uma overdose e por nada não morreu. Seus pais, atentos, acompanharam e ajudaram o filho em todos os momentos.

            A partir do carinho dos pais e pelo susto que passou, Tiago pediu à eles que lhe ajudasse a sair daquela vida, já não agüentava mais. Era tudo que os pais esperavam ouvir do filho, imediatamente procuraram uma Clinica e o internaram.

           Tiago recebeu toda atenção de seus familiares, que o estimulava em seu tratamento. Como seus pais também participavam das reuniões do grupo de mútua ajuda, conseguiram dar muito suporte ao filho sem deixar que a emoção falasse mais alto, prejudicando o tratamento.

            Assim Tiago conseguiu vencer as drogas e a família se restabeleceu novamente, depois de anos de sofrimentos.

            Embora tenham passado por muitas dificuldades com o filho nas drogas, Paulo e Cleide aprenderam muito com tudo e passaram a dedicar-se mais às reuniões, somando-se ao grupo que freqüentavam, não porque precisavam, mas para ajudar outras famílias. Viram e sentiram a necessidade de ajudar, pois viveram na pele a dor que é uma família onde a droga entra.


KMO
Ataíde Lemos
Enviado por Ataíde Lemos em 11/12/2007
Alterado em 12/12/2007
Comentários