Seja bem vindo, boa leitura, será um prazer teu comentário.
Ataíde Lemos
Palavras, uma viagem pelos sentimentos.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Meu Diário
22/06/2006 10h40
Semana Nacional Antidrogas e as Comunidades Terapêuticas
Estamos na Semana Nacional Antidrogas, onde o governo promove varias eventos, visando à sociedade refletir o tema drogas. Um assunto que certamente, grande parte das famílias vive, viveu ou conhece alguém convive.

Durante anos venho atuando diretamente no tratamento de pessoas que se tornam dependentes adolescentes, jovens, adultos e assim, podemos conhecer um pouco da realidade de pessoas, famílias envolvidas com drogas e a dificuldade que é a superação.

Vemos realidades completamente distintas de cada um que dá entrada na instituição como é confusa, complexa a vida de cada um. Também podemos observar como as drogas desestruturam a família onde ela entrou.

Outra triste realidade que podemos constatar é os poucos êxitos das pessoas que buscam tratamento. Uma pequena parcela consegue vencer a doença, não totalizando nem 10% dos que recorrem ao tratamento, isto ocorre devido a grande maioria já estarem completamente comprometidos na sua estrutura bio-psico-social. Fazendo uma analise estatísticas de todos os residentes que deram entrada na entidade durante período de 5 anos, constatamos que a média de internação dos que procuram tratamentos em CT não passa de 60 dias, para um programa de 180 dias para grande parte das entidades e 270 para outras.

A grande maioria que recorrem as Comunidades Terapêuticas são pessoas que já passaram por diversas abordagens terapêuticas como terapias individuais, grupos de mutua ajuda, terapias medicamentosas e vários outros e dando entrada na entidade em fase aguda da dependência.

A dependência química é também uma doença da família. Nada adianta uma pessoa buscar tratamento se o familiar paralelamente não se trata. Este também acaba sendo um grande fator de pequenos índices de êxito.

O êxito que constato para os que passam pelas Comunidades Terapêuticas é a consciência sobre sua realidade. Por ser um tratamento que tem sua tônica o comportamento; a motivação espiritual dos residentes e simultaneamente compreender as características da doença da dependência química, este tipo de abordagem educa, dá formação e cura o emocional. Desta maneira mesmo que aqueles que passam pelo tratamento não consiga vencer de maneira plena, tem uma substancial melhora em seu quadro clinico e psicológico, levando-o certamente com o tempo deixar as drogas definitivamente.

O grande desafio que vejo para ser vencido está na falta de incentivo por parte do Estado a este tipo de tratamento, pois, embora hoje haja varias CT. a grande maioria sobrevive de colaborações da sociedade, das vendas de artesanatos produzidos pelos residentes, e algumas famílias que colaboram com pequenas doações.

O que atualmente podemos constatar é uma pressão enorme por parte de órgãos governamentais nestas entidades,porém, sem nenhuma contrapartida. E o mais triste disto, é que, a grande maioria das pessoas que a buscam são as famílias carentes e moradores de rua numa ância de sair das drogas ou do álcool. Muitas entidades estão tornando mais albergues, casas de acolhimento propriamente que entidades de tratamento para dependentes químicos pela falta de profissionais da área de saúde, falta de recursos financeiros para manterem em seus quadros pessoas especializadas.
Publicado por Ataíde Lemos
em 22/06/2006 às 10h40
 
18/06/2006 16h45
Seriedade no tema drogas
O tema drogas é um assunto que deve ser cotidianamente trabalhado e com políticas públicas sempre aprimoradas e atualizadas.

A droga é o grande problema mundial e que atuar de maneira prioritária hoje significa o futuro da civilização. Se não for encarada com seriedade atualmente, amanhã não teremos nenhuma perspectiva.

Não há duvida que as drogas sejam as grandes causas de óbitos seja diretamente ou indiretamente. Ela está correlacionado com os maiores problemas existentes na atualidade como Saúde, Educação, Segurança e com a Assistência Social.

Grande parte do recurso orçamentário seja federal, estadual ou municipal acaba sendo direcionado para atendimentos de famílias, indivíduos relacionado a problemas oriundos do uso de drogas independentes serem abusivo ou não.

Vejamos alguns exemplos:

• Uma grande parte de recursos que são gastos na área da saúde como inúmeras doenças são provocadas e derivadas do uso de drogas e aqui podemos citar com ênfase o álcool e o tabaco mesmo quando não está ligado diretamente eles são agentes causadores de doenças.

• Quando falamos em violência não podemos deixar de destacar que as drogas são geradoras de violência, quer seja pelo trafico (questões econômicas); pelo uso indevidos ocasionando violência domestica, acidentes, brigas, hominídeos por motivos torpes. Não podemos deixar passar por despercebido que quase totalidade dos encarcerados são dependentes químicos e que,muitos delitos são cometidos sob uso de substancia psicoativa.

Nestes casos também podemos refletir quanto o país tem que disponibilizar do orçamento para a segurança. Recursos estes que poderiam ser gastos em educação – evitando que muitos destes estivessem encarcerados. Investir em infra-estrutura gerando mais riquezas, qualidade de vida para a sociedade como um todo.

• Quanto recursos no orçamento é incluso para Assistência Social destinado atendimentos à famílias que estão envolvidos com problemas relacionado ao uso de drogas?

Todos estes recursos que muitas vezes são gastos em tratamento, em atendimento, em repressão certamente teriam mais eficiência se fossem gastos na prevenção às drogas; se fosse investido na Educação.

A grande questão é que, as drogas exercem um poder enorme, todos acabam sendo beneficiados com a venda das drogas. Vejamos as drogas licitas, por exemplo. Não há duvidas que os recursos oriundos de impostos sejam enormes e que fazem diferença no bolo total da arrecadação. O governo arrecada em impostos seja diretamente das empresas de vendem bebidas alcoólicas,das empresas de cigarro e das empresas que comercializam álcool e tabaco no atacado e varejo.

Se o governo ganha muito com impostos, por outro lado as empresas privadas também exercem um poder muito forte, pois muitas delas têm nestas drogas sua fonte de sobrevivência ou vivem exclusivamente como as cervejarias, as grandes empresas de bebidas destiladas, empresas de cigarro, sem contar que bebidas e cigarro para muitas empresas dos segmentos de varejo como bares e similares têm nestas drogas o faturamento quase total de suas receitas. Tudo isto é um complicador para se tomar medidas efetivas.

Olhando por estes dois ângulos entramos num grande paradigma: de um lado o custo enorme social que o mercado das drogas tira dos cofres públicos seja na área da saúde, da segurança, da Assistência Social e até mesmo de outras secretarias que aqui não foram citadas. Por outro lado à uma enorme receita que entra nos cofres públicos e no bolsos da empresas privadas com a venda destes produtos.

Proibir a bebida, o tabaco certamente não é possível, porém, trabalhar no desenvolvimento emocional do jovem, numa educação que consiste na sua formação, na informação; na conscientização da sociedade sobre os riscos das drogas visando uma diminuição da demanda é perfeitamente possível.

Um país somente conseguirá vencer as drogas quando perceber que o custo em relação ao beneficio da arrecadação da venda delas é muito alto. Sem necessidade de tomar medidas paradoxais, ou extremas, atuar diretamente com políticas públicas que visam diminuir o uso de drogas (licitas), restringindo-as com leis severas aqueles que comentem delitos como a venda de álcool e tabaco para menores; criar mecanismos de inibir propagandas através da mídia que incentive o uso determinando horários de veiculação de propaganda; aumento significativo de impostos entre outras medidas.

Penso que investindo na educação direcionada a formação, informação da pessoa quanto buscar uma melhor qualidade de vida, com objetivo de ter uma vida saudável; investir na família. Enfim, entender que o beneficio da arrecadação que é feita através das drogas ( álcool, tabaco ) seu custo é maior. Aí sim, poderemos iniciar um trabalho serio de combate as drogas.
Publicado por Ataíde Lemos
em 18/06/2006 às 16h45
 
04/06/2006 10h59
Viva Feliz Sem Drogas (Tabagismo)
O programa Viva Feliz Sem Drogas deste domingo (04/06/2006) teve o prazer de entrevistar o medico ortopedista Dr. Mauricio Lemes de Carvalho que desenvolveu o tema tabagismo.
O cigarro uma das drogas químicas que atinge um numero expressivo da população mundial, responsável por inúmeras doenças bem como responsável pelo grande numero de óbitos.
Uma droga lícita que tem levado muitos países a tomarem medidas sérias inclusive, por também atingir muito daqueles que não fuma contraindo as mesmas doenças daqueles que são dependentes ativos devido a serem obrigados a conviveram com os fumantes.
Outro fator preocupante é a questão da fumante na gravidez – mulheres que durante a gestação fumam – podendo transferir varias conseqüências as seus filhos como dificuldade de aprendizado e a possibilidade também de desenvolverem a dependência do cigarro devido à predisposição do organismo ao cigarro.

PVFSD: Dia 31 de maio foi dedicado ao dia internacional de combate ao tabaco (cigarro). Sendo médico como vê a OMS dedicar um dia especifico sobre o combate ao tabagismo?

Dr. Mauricio: De suma importância, primeiro o cigarro é uma droga extremamente perigosa principalmente por ser uma droga licita. Antigamente as pessoas achavam que fumar era chic, mas é bom saber que no EUA 400.000.000 morrem por ano, vitimas de doenças causadas pelo uso de cigarro. No Brasil 24% da população são fumantes sendo 11,3 % de homens e 17,7 % de mulheres. A dependência do cigarro é uma doença tão fatal quanto as outras drogas como maconha e cocaína, como não é proibida não chama atenção da população.
O cigarro causa mais óbitos que a AIDS, homicídio, acidente automobilístico, suicídio e mais que overdose de todas as outras drogas.

PVFSD: Quais as conseqüências provocadas pelo do uso do cigarro para os fumantes, e especialmente nas mulheres grávidas?

Dr. Mauricio: O cigarro causa inúmeras doenças como doenças pulmonares respiratórias, principalmente doenças como bronquites, enfisemas, câncer de pulmão. A chance de um fumante vir a ter câncer de pulmão é 33% maior que o não fumante. Pode ainda causar câncer na boca, bexiga e rins. Outra doença muito causada no fumante é a arteriosclerose, o entupimento das artérias podendo levar a infartos, derrames e até amputação de membros.
Quando se fala em gestação é muito mais grave. Fumar na gravidez pode ocasionar abortos espontâneos, bebes de baixo peso, mortes de recém nascidos, hemorragias placentárias.
Estudos mostram que filhos de 7 anos de mães que fumavam mais de 10 cigarros por dia apresentam atraso de aprendizados. Muitas vezes crianças de fumantes acabam sofrendo preconceitos e os responsáveis são os pais (mãe) de fumarem na gravidez.

PVFSD: O que senhor poderia falar sobre os fumantes passivos? Isto é, aqueles que acabam recebendo a fumaça mesmo sem ser fumante. Eles também podem adquirir doenças provenientes dos que fumam?

Dr. Mauricio: As três substancias mais prejudiciais existentes no cigarro são o monóxido de carbônico, alcatrão e nicotina. A nicotina atua no sistema nervoso central (SNC).
Aquele que convive com o fumante acaba também adquirindo varias doenças como se fumasse, pois inala a fumaça onde estão substancias químicas que causam doenças. Na Inglaterra estima-se que morram mais de mil vitimas por serem fumantes passivos, aqueles que convivem como os fumantes dentro de casa, esposo (a) filhos, etc.
Esta preocupação com o fumante passivo vem mobilizando a sociedade, isto já vem acontecendo como, por exemplo, na Irlanda em março de 2006 foi proibido fumar em lugares públicos como rodoviária, aeroportos, correios, estação ferroviária, etc. Inclusive na Irlanda há quarteirões onde há prédios públicos serem proibido fumar. Esta lei deve ser implantada na Inglaterra, pois, as autoridades estão tomando consciência das conseqüências do cigarro e assim, dificultando cada vez os fumantes, levando - os ao acanhamento devido a tantas informações que vem recebendo.

PVFSD: Quais os tratamentos existentes para aqueles que querem parar de fumar?

Dr. Mauricio: O grande problema para aqueles que querem parar de fumar é a abstinência, pois, ela trás a depressão, provoca a ansiedade. Existem algumas drogas como o zibam, aprovado pelo FDA (órgão que fiscaliza os remédios nos EUA). Mas, o mais importante para aqueles que querem parar de fumar é a reposição da nicotina, hoje há varias tipos de reposição em goma de mascar, espray, etc. Os efeitos da nicotina com estes medicamentos atuam ajudando as pessoas a abandonarem o fumo. A probabilidade de deixarem de fumar é muito maior.

Esta foi uma síntese da entrevista do Dr. Mauricio, onde com suas colocações pode orientar e colocar aos ouvintes e internautas o porquê a necessidade de um trabalho sério, ostensivo e de informação sobre o tabagismo.
Publicado por Ataíde Lemos
em 04/06/2006 às 10h59
 
04/06/2006 07h38
Associação de entidades sociais
Em Ouro Fino há varias entidades – Organizações não Governamentais (ONGs) – que atendem diversos seguimentos da sociedade ourofinense. Entidades que atendem crianças, adolescentes, jovens, adultos também idosos.
Muitas delas com atuações específicas sejam numa formação educacional, preventivo, amparo ou mesmo tratamentos de determinadas doenças como a dependência química, por exemplo. Certamente, isto vem nos apresentar dois fatores interessantes. Um deles é que, de certa maneira nosso município não é diferente do restante do país, isto é, existem também pessoas com necessidade diversas de atendimento. Outro fato é que a sociedade ourofinense tem um coração generoso, pois está sempre a colaborar e se envolver dando sua parte de contribuição para com estas entidades seja associando ou mesmo colaborando financeiramente para que elas continuem prestando seus atendimentos.
Hoje também temos observado que há entidades, associações que estão fazendo um trabalho interessante, que é ser captadoras de recursos financeiros, materiais e humanos organizando-se promovendo eventos com objetivos de atender entidades sociais.
Embora possam observar que exista um trabalho feito pela sociedade visando ajudar as ongs sociais, estes recursos ainda são poucos às suas necessidades e algumas entidades acabam sendo mais beneficiadas que outras.
Hoje há muitos recursos governamentais de âmbito, federal, estadual e municipal os quais todas as instituições poderiam ser beneficiadas, porém devido a falta de articulação entre entidade estes recursos não chegam até elas.
Faz-se necessário que todas as ongs sociais de Ouro Fino, através de seus diretores, crie uma associação e que, a partir dela possa ser captadoras e recursos existente, bem como distribuidoras dos mesmos, e assim, as entidades possam entrar no bolo da distribuição.
Esta associação teria também a função da ajudar na regularização e burocracia das ongs sociais, fator este é o entrave das entidades não conseguirem recursos ou mesmo terem seus projetos aprovados.
As entidades que prestam trabalhos sociais unidas, certamente serão mais respeitadas em suas atividades, olhada com mais respeito pelos poderes constituídos deixando de viver com o pires na mão mendigando ajuda os quais são de direito.
Publicado por Ataíde Lemos
em 04/06/2006 às 07h38
 
09/04/2006 12h47
Viva Feliz Sem Drogas / II Conferencia Estadual de Políticas Publicas sobre Drogas
O programa Viva Feliz Sem Drogas deste domingo (09/04/2006), falou sobre II Conferencia Estadual de Políticas Publicas sobre Drogas, cujo foi Tema “Responsabilidade Compartilhada”, onde eu, Ataíde e o Pr. Roberto Wagner Alves Ferreira, relatamos os acontecimento ocorrido na Conferencia e nossa atuação.

O Conselho Municipal Antidrogas de Ouro Fino (COMAD – OF), participou da Conferencia com a presença de sua presidenta Luzia, a secretaria Laudicéia e também a policia militar enviou um representante sendo a Sargento Carmem, que foram locomovidos pela prefeitura municipal até o evento. Nossa locomoção ( Ataíde, Pr. Roberto ), foi patrocinado por uma entidade o qual se reservou o anonimato. Porém, ainda ficou faltando sanar a metade da viagem, que até o momento está sendo feito por recursos pessoais.

Pr. Roberto exaltou o governador Aécio pelo interesse, preocupação que vem dedicando sobre este tema tão sério e complexo que são as drogas, inclusive Minas, sendo o primeiro estado do Brasil a criar uma Subsecretaria Estadual Antidrogas, também elogiou o Dr. Cloves Eduardo Benevides que é o responsável pela subsecretaria, o qual vem conduzindo de maneira sabia e democrática.

Também ressaltou toda nossa atividade em Belo Horizonte, onde estivemos visitamos a Assembléia Legislativa, a Subsecretaria Antidrogas onde protocolamos vários ofícios referente a instituição Jeová Shalom, também ressaltou os encontros particulares com varias autoridades presente e que nos apresentaram caminhos para conseguirmos alguns benefícios que são garantidos por lei às instituições que atuam na área de drogadição, como a "Lei. N° 10.409 de 11/01/2202 – DOU 14/01/2002 que dispõe sobre prevenção, tratamento, a fiscalização, controle e a repressão a produção, ao uso e ao trafico de drogas ilícitas que causem dependência física e psíquica. Assim alencados pelo Ministério da Saúde, e da outras previdências."

Algo muito importante colocado pelo Pr. Roberto, foi o intercambio feito com as Comunidades Terapêuticas que estiveram presentes para a Conferencia.

Outro destaque que do Pr. Roberto colocou, foi à presença da prefeitura de Ouro Fino, ao chegar e constatar a presidenta do COMAD, Sra. Luzia, a secretária Laudicéia e a representante da policia militar a sargento Carmem. Aproveitou o momento para pedir que o COMAD–OF, lance um programa de políticas publicas de âmbito municipal e que nos convide para a discussão, após aprovado, seja de fato executado pelo gestor (prefeito).

Durante a Pré-Conferencia que houve em Varginha, tivemos a felicidade de ter 6 propostas aprovadas para serem apreciadas na Conferencia Estadual e que tivemos a felicidade de aprová-las na Conferencia. As propostas feitas e aprovadas pelo Pr. Roberto foram:

1. Criar incentivos fiscais para iniciativas privadas, buscando parcerias para programas de atenção aos usuários de substancias psicoativas (drogas), inseridas na rede e nos seus familiares de modo a viabilizar o trabalho de reinserção social durante e após o tratamento.

2. A divulgação na mídia da ação continuada, apresentada por órgãos que fazem reinserção como política de atuação, visando ampliar a conscientização da comunidade e as instituições religiosas.

Estas propostas apresentas pelo Pr. Roberto foi aprovado pela planaria onde contava com mais de 800 delegados.

Também tive a felicidade de conseguir manter as propostas aprovadas na Pré – Conferencia realizada em Varginha que foram:

1. Facilitar convênios de profissionais de saúde e recursos financeiros da rede publica nas três esferas federal, estaduais e municipais para entidades não governamentais (ONGS), para que estas instituições possam realizar com plenitude seus trabalhos.

2. Financiamento do governo para que as Comunidades Terapêuticas possam adequar à resolução 101 da ANVISA, e assim dar um atendimento mais eficiente e com melhor qualidade a seus clientes. Inclusive com financiamento do Ministério da Saúde.

Estas foram nossas propostas que conseguimos aprovar entre 92 existentes, onde o eixo discutia tratamento e que depois de aprovada na comissão foi aprovado pela plenária.

Houve também uma proposta que empenhamos em aprová-la que é a seguinte: Que o governo destine um percentual de toda comercialização de substancias psicoativa lícitas (drogas)pelas empresas, criando um fundo para que seja destinado a projetos que se destina prevenção, tratamento e reinserção social.

O Pr. Roberto trouxe algumas idéias que pretende implementar em Ouro Fino, no que tange a prevenção promovendo varias oficinas entre elas de teatro, pintura, de grafitação, forro, hip-hop, capoeira. Para que isto ocorra certamente haverá a necessidade de ter voluntários para a implementação do projeto.
Publicado por Ataíde Lemos
em 09/04/2006 às 12h47
Página 22 de 25
« 21 22 23 24 25