Seja bem vindo, boa leitura, será um prazer teu comentário.
Ataíde Lemos
Palavras, uma viagem pelos sentimentos.
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Meu Diário
28/04/2011 21h49
Internação involuntária
É comum assistirmos matérias jornalísticas sobre denuncias ocorridas em comunidades terapêuticas. Como diretor de uma de comunidade, infelizmente, sou obrigado a confirmar que isto ocorre em algumas comunidades e se deve a internação involuntária.
 
São comuns algumas comunidades oferecerem internações voluntárias e involuntárias e muitas delas, são entidades que possuem bons atrativos tanto para a família como para os dependentes cobrando assim, altas mensalidades. Muitas famílias na necessidade, no desespero e ao ver boa apresentação da entidade acaba internando seus entes. Porém, algumas delas para manter tais mensalidades e, a partir do fato de que tais recuperandos (clientes) não querem permanecer no tratamento usam da violência para segura-los, pois se assim não fizer estes clientes desestabilizam a instituição, bem como, tais métodos acabam servindo de exemplo para os demais. Outros agem diferentes, ou seja, mantém seus clientes dopados através de psicotrópicos, medicamentos estes que geram dependência e também podem causar distúrbios mentais irreversíveis
 
Sempre coloco que pode haver internação involuntária, porém dificilmente ou quase impossível haver recuperação involuntária. No entanto, uma internação involuntária tem consequências, e isto ocorre tanto nas entidades pobres que fazem internação involuntária como há nas clinicas ricas, ou seja, aquelas onde são internados filhos de deputados, grandes empresários, artistas, etc, etc.
 
Já ouvi vários relatos de dependentes que passaram por entidades onde contam que uma das formas também usadas para manterem seus clientes involuntariamente é fazer vista grossa em relação ao consumo de drogas nelas. Infelizmente, isto é degradante, mas não é absurdo, pois para não perderem clientes algumas entidades podem facilitar o uso de drogas.
 
Enfim, deixar as drogas é uma questão de vontade, e buscar internação também deve acontecer voluntariamente. Sabemos que é difícil para os familiares ver um filho ser consumido pelas drogas e que ela faria qualquer para por um fim, até mesmo interná-lo numa entidade contra a própria vontade do dependente, no entanto, seu coração sofrerá da mesma forma e ainda com um sentimento de revolta contra a entidade por pagar altas mensalidades e ainda saber que seu ente sofre maus tratos. Por tanto, às vezes é melhor buscar outros meios procurando ajudar através de instituições publicas ou privadas e assim saber como proceder. Buscar orientações por meio de profissionais da área como psicólogos. Também buscar ajuda nos grupos de mutua ajuda para famílias e assim agir corretamente para convencer ou estar preparada para quando o ente pedir ajuda e assim, não tomar medidas sobre a emoção para depois se arrepender.

 
Publicado por Ataíde Lemos
em 28/04/2011 às 21h49