Seja bem vindo, boa leitura, será um prazer teu comentário.
Ataíde Lemos
Palavras, uma viagem pelos sentimentos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Acompanhei a votação na Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania da Câmara Federal (CCJC) que discutia a admissibilidade ou não do processo contra o presidente Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal. Foi um espetáculo que em determinados momentos era cômico se não fosse trágico e uma coisa séria, em outros dava pena de ver até que ponto o ser humano (politico) se rebaixa tanto pelo Poder e pelo dinheiro não possuindo nada no que se diz ética e moral e ainda em outros momentos um maior entendimento da razão de muitos  detestarem a politica e os políticos. Enfim, assistir a sessão  na CCJC foi uma excelente aula de como é o mundo politico para que possamos sair da ignorância de quem é o politico e de fato tenhamos conhecimento de quem são estes personagens.
 
Primeiro: o politico não tem ética e nem moral, ou seja, pelo Poder e pelo dinheiro fazem qualquer negocio.
 
Segundo; o politico não tem lado definido, ele é um jogador do lado que está ganhando no momento e o que menos importa para ele é o pensamento da sociedade até o instante que dela (sociedade) precisar.
 
Terceiro; para o politico os meios justificam os fins, independente a sua consciência, isto é, para atingir seus objetivos vende sua alma para o demônio.
 
Evidentemente, este comportamento do politico é devido ao seu caráter que de certa forma, é o caráter do ser humano de uma maneira geral, ou seja, infelizmente, o ser humano na sua grande maioria é egoísta e para atingir seus objetivos é capaz de qualquer coisa e é por isso que existe a Lei, isto é, são as Leis que condicionam e freiam as ações das pessoas.
 
Voltando a sessão da CCJC o que se via lá! Os que eram favoráveis a admissibilidade do processo encontravam mil razões e milhares de argumentações plausíveis para aprovarem o encaminhamento do processo para o STF iniciar as investigações e o julgamento. No entanto, muitos deles se enfraqueciam pela atuação no processo de afastamento da ex-presidente Dilma, já que que foram ferrenhas em defenderem  a permanência dela na presidência.
 
Já os que defendiam Michel Temer, estes eram verdadeiros patéticos querendo justificar o injustificável, defender o indefensável. Estes ofenderam a inteligência dos brasileiros, rasgaram as mascaras que os cobriam suas caras e escaram para a sociedade seu verdadeiros caráter. Pois, a simplesmente, negação de investigar o presidente já os colocou do lado dele nas atitudes e ações, ou seja, negando a investigação anteciparam que são corruptos potenciais no mínimo.
 
Em suma, assistir a sessão da CCJC re, foi uma aula de cidadania ainda que, fosse como uma aula de anatomia, isto é, uma aula de dar nojo e para quem tem estomago forte. No entanto, foi uma aula de grande aprendizado para se conhecer de forma mais profunda quem é a pessoa do politico como também como é o ser humano quando a questão envolve Poder e o dinheiro.
 
Praticar a democracia por meio de voto é um direito que a sociedade não pode abrir mão dele. No entanto, é preciso conhecer as entranhas da politica e da personalidade do politico para que ao escolhermos candidatos não sejamos iludidos pela sua oratória e pelo dinheiro que está por trás dele e ter a consciência que ele na sua essência é ser corrupto (com raríssimas exceções). Ter também a consciência de que todo o bem que ele promover para a sociedade haverá sempre um interesse maior que não é a sociedade, mas sim, interesse pessoal ou para determinados grupos. Enfim, a sociedade precisa conhecer de como funciona o mundo politico em seu bastidor e a aula da CCJC foi importantíssima para nos ensinar que votar bem é necessário votar com a razão e não com a emoção. Ou seja, politica não pode ser paixão.
Ataíde Lemos
Enviado por Ataíde Lemos em 15/07/2017


Comentários