Seja bem vindo, boa leitura, será um prazer teu comentário.
Ataíde Lemos
Palavras, uma viagem pelos sentimentos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
27/10/2009 18h34
Drogas: Um Descaso da Sociedade e do Estado

     
        Diante de tragédias relacionadas às drogas como assassinatos e suicídios de pessoas que possuem um certo destaque no cenário nacional, ressurgem as discussões sobre dependência química. Sobre o que não se faz e o que precisa ser feito.
 
         Infelizmente, muitos estão morrendo vítimas das drogas e parece que pouco se tem feito. Temos visto pessoas que desesperadamente tomam atitudes extremas e absurdas, como acorrentar o filho, ou então fazer celas na própria casa para que o filho não se drogue.

          Em todos os casos, o que sempre podemos observar na fala destes familiares desesperados, é a inércia e a ausência do Estado. Pessoas que estão à deriva sem ter a quem recorrer.

         Como alguém que trabalha na área de dependência química, conheço bem a realidade dessas famílias, como também conheço a omissão do Estado. As entidades terapêuticas estão tão abandonadas quanto as famílias. Não há acompanhamento, não há ajuda financeira, enfim, as entidades que atuam nesta área, sofrem os mesmos abandonos e descasos. Por isso, muitas vezes não conseguem dar ao dependente químico nem o mínimo do tratamento exigido. 

         A grande maioria das Comunidades Terapêuticas (CTs), não possuem terapeutas ocupacionais e psicólogos – profissionais básicos nesse tipo de tratamento – a necessidade de pessoal é suprida apenas por recuperandos, que já se encontram em uma fase mais adiantada dentro do tratamento na instituição, mas que sobrevivem das migalhas que recebem como doações, sejam elas vindas dos familiares de alguns recuperandos ou de pessoas de boa vontade. Enfim, as CTs apenas fazem tratamentos paliativos, recorrendo à espiritualidade e à fé. Isto é, entregando tanto a entidade quanto o recuperando nas Mãos de Deus para conseguirem vencer a dependência.

         É comum se criticarem as CTs por fazerem uso da espiritualidade com seus recuperandos, mas deixo algumas perguntas em aberto: como não recorrer à espiritualidade, num País que não está nem aí para o tratamento de dependentes químicos? Que não faz nada para que as entidades possam dar um tratamento adequado e digno aos seus recuperandos? Como as entidades (CTs) podem dar melhor qualidade de tratamento, se não têm recursos financeiros nem para manter profissionais de saúde e nem mesmo para dar suporte aos voluntários desta área? 

         Enfim, é complicado imaginar uma mudança no quadro de violência ou de saúde, quando o assunto é drogas, pois o Estado sempre que faz alguma coisa, faz mal ou pela metade, isso quando também não está ausente.

          Infelizmente, o quadro de desespero de pais que têm filhos dependentes químicos como também dos absurdos que cometem, não vão ter um fim imediato, pelo contrário, cada vez aumentará mais, pois cada dia aumenta o número de dependentes químicos e diminui o de entidades destinadas ao tratamento.

          É comum a televisão fazer matérias sensacionalistas com entidades que tratam mal os recuperandos (dependentes químicos) e também sobre algumas entidades de renome nacional, que recebem recursos sejam do Estado ou de grandes empresários ou ainda de entidades do exterior, mas nunca vi matérias feitas nas maiorias das CTs que são pobres, mas sérias e que procuram fazer seus trabalhos mesmo sem ajuda, vivendo no total abandono do Estado. Entidades estas que são na maioria das vezes, acolhedoras dos dependentes que não possuem nenhum recurso financeiro.

          Em suma, é difícil parte da sociedade querer mudar a realidade das drogas e dos dependentes, se a maioria dela (sociedade) não está nem aí ou somente se interessa por este problema, quando passa a vivê-lo em sua própria casa. 

     Ataide Lemos
     Autor dos livros Drogas um vale escuro e grande desafio para familia
     O Amor Vence as Drogas


Publicado por Ataíde Lemos em 27/10/2009 às 18h34
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
14/09/2009 17h06
O adolescente, o Estado e as drogas
          A droga surge na vida de alguém de várias maneiras. Na verdade, para muitos vem como uma muleta para suprir ou camuflar algum problema emocional, que muitas vezes a pessoa nem se dá conta que tem. Para outros, vem por uma simples brincadeira, uma diversão ou por uma oportunidade surgida. Enfim, de alguma forma ela vem como um momento de descontração.
            Para alguns, o uso da droga não  proporciona nenhum bem estar, o usuário não faz a tão entusiasmada viagem, pelo contrário, não gosta,  se sente mal e não  mais a procura. Já para outros, a droga proporciona  uma viagem fantástica e essa pessoa passa sempre a recorrer a ela, na tentativa de obter o mesmo prazer da  primeira viagem feita, no entanto, isso não ocorre e assim, essa pessoa vive constantemente nesta busca. 
            Pois bem, esta “viagem maravilhosa” é o primeiro indício de que a pessoa tem uma predisposição ao consumo de drogas, pois na busca de reviver aquele prazer,  a pessoa vai consumindo cada vez mais drogas e seu organismo vai assimilando essa química, tornando-se dependente dela, até ao ponto, que o consumo da droga se torna uma necessidade para o usuário. Sem que ele se dê conta, que está consumindo cada vez mais e mais.
             O grande problema que leva as pessoas a adquirirem a dependência química, está no fato de que normalmente este início – com algumas exceções – se dá no período da adolescência, onde a personalidade ainda se encontra em formação. Onde o adolescente ainda está na fase das descobertas, das afirmações e assim,  este “prazer” proporcionado pela droga, foge ao seu controle.
             É neste sentido que se faz necessário trabalhar a  prevenção na pré e na adolescência. O Programa Educacional  de Resistência às Drogas (PROED) da Polícia Militar, vem nesta direção, isto é, de orientar a criança na sua pré-adolescência promovendo cursos aos alunos da 4ª série primária e agora já iniciando em algumas localidades, com os alunos na fase de adolescência, em alguns projetos, na 6 ª série.
               No entanto, ao sabermos que todo adolescente independentemente de sua classe social ou  condição econômica está inserido no grupo de risco, consideramos que o PROED, ainda que seja um bom projeto, é muito pouco, diante da demanda necessária de prevenção às drogas nesta faixa etária.
              É necessário que o Estado em todos os níveis e esferas de governo tenha a responsabilidade social na criação de projetos, sejam eles na área educacional por meio de disciplinas pedagógicas enfocando a prevenção às drogas ou mesmo projetos na área social,  que levem os pré-adolescentes e adolescentes a estarem preparados para dizer não às drogas.
             Todos os meios que levam ao combate às drogas são necessários e fundamentais, como por exemplo, a repressão, no entanto, de nada vale a repressão se não se trabalha de maneira eficaz a demanda. Se cada vez mais, aumenta o consumo de drogas, mais o tráfico tende a aumentar, ainda que haja o combate a ele.  No entanto é preciso pensar, que quanto mais diminuir a quantidade de drogas no mercado, maior  será o custo dela e assim, maior será o custo social.
            Enfim, ao meu ver, o problema das drogas não é algo impossível de se enfrentar, mas sim, passa por uma questão de vontade política. O que observamos ocorrer é que se trabalha muito a questão imediata, mas não se trabalha tanto em projetos de longo prazo quanto à prevenção. São raros os projetos com  visão de futuro, em geral eles se preocupam mais com o hoje. Talvez projetos de longo prazo não dêm tanto retorno em votos, literalmente são gastos que ficam por debaixo da terra.

          Revisão:
          Vera Lucia Cardoso       

Publicado por Ataíde Lemos em 14/09/2009 às 17h06
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/09/2009 19h36
Trabalhar prevenção às drogas nas Escolas
     Trabalhar a questão das drogas na Educação, em nível de ensino fundamental e médio, penso que deva ser de formas específicas e direcionadas. Quando abordamos drogas, constatamos que  este tema é muito amplo, que pode abrir leques para várias interpretações ou mesmo inúmeras  brechas para questionamentos contraditórios. 
 
     Uma das abordagens para se trabalhar na escola tal assunto, seria propiciar aos estudantes adolescentes e jovens, do ensino médio, a aprendizagem de como se relacionarem consigo mesmo; a aprenderem a resolver seus conflitos internos; criarem perspectivas de vida saudável, incentivando e motivando-os a correrem atrás de seus projetos. 
 
     Cabe à escola orientar e abrir espaços, fornecendo os meios necessários para que os adolescentes e os jovens, procurem se lapidar e assim terem condições de atingirem seus objetivos, dentro de suas possibilidades.

     Uma sociedade é construída e avaliada pela Educação. As pessoas que recebem uma Educação de qualidade, certamente terão mais senso crítico da vida, atingindo sem dúvida um patamar muito mais elevado de conceito, de valores éticos, morais, espirituais e de cidadania. 

     Segundo esta linha de raciocínio, o trabalho antidrogas deve ser contínuo e a sua abordagem não deve necessariamente  centralizar-se especificamente sobre ele, mas oferecer e proporcionar alternativas de qualidade de vida – e dentro desta qualidade de vida, o aprender a lidar consigo mesmo – e a busca de ideais. 

     Algo fundamental e necessário, seria proporcionar aos adolescentes e jovens o conhecimento de seus limites, sejam eles quais forem – emocionais, físicos ou financeiros – e ao mesmo tempo, passo a passo, ajudá-los a superá-los, para que assim possam conviver com todas as suas características individuais.  Seria importante também, uma orientação psicopedagógica, que os ajudasse a enfrentarem e superarem os fracassos e as limitações.

     A Educação deve quebrar as barreiras do ensino, deve ser uma fonte de conhecimentos intelectuais e ao mesmo tempo, uma fonte de desenvolvimento pessoal e  social de cada ser humano. 

     A partir do momento que o tema "droga" passar a ser trabalhado com muita eficácia, sendo englobado diretamente ou indiretamente em todas as disciplinas curriculares, sendo inserido psicologicamente em cada estudante, automaticamente, estará incutido na formação da própria personalidade do homem, como algo prejudicial e assim teremos os mecanismos de superação que buscamos. 

     Todos os meios usados para que se faça a prevenção às drogas são de fundamental importância. O que precisa ocorrer é uma sintonia entre esses meios. Pouco resolve se convidar palestrantes uma vez a cada seis meses, se o trabalho preventivo se resumir apenas nestas palestras, como meio de prevenção nas escolas. Este tipo de prevenção é apenas uma vertente. 

     Da mesma forma é de grande importância o trabalho que o PROERD faz, promovendo curso nas escolas, mas é importante frisar, que este curso se realiza apenas nas quartas séries e que agora, é que está se iniciando nas sextas séries também. Da mesma forma, este curso realizado pelo PROERD é uma vertente. É importante que haja um cronograma de tais projetos numa grade curricular, fechando um ciclo anual, que venha somar a outros projetos e não tê-los apenas como linhas mestras para trabalhar a prevenção.
 
     É importante ter claro que a questão do uso de drogas é uma questão existencial, isto é, está inserida dentro do ser humano, pois ela (droga) de certa forma, faz com que a pessoa tenha prazer, externe suas sombras. Certamente, discursos contrários não atingem aos jovens, então fundamental é que se proporcione este mesmo prazer através de atividades sadias ou mesmo ajudando, dando subsídios para que as pessoas aprendam a lidar com suas sombras.

     Revisão
     Vera Lucia Cardoso 

Publicado por Ataíde Lemos em 08/09/2009 às 19h36
 
08/08/2009 15h39
Deixar as drogas: uma questão de propósito
     Já escrevi vários artigos relatando as dificuldades encontradas por aqueles que se encontram dependentes das drogas para conseguirem vencê-la, como por exemplo, o grau de comprometimento biológico e psíquico- social, enfim, enlaçando toda a questão do histórico do dependente.
 
     Pois bem, quero levantar um outro pensamento sobre tal dificuldade, enfocando um outro aspecto, que me parece ser algo que também deve ser considerado. É comum conhecermos ex-dependentes que nunca passaram por determinado tratamento e um dia em suas vidas, resolveram e decidiram deixar de fumar, de beber, de usar drogas ilícitas e de fato deixaram. Certamente estes acontecimentos levantam questionamentos sobre as pessoas conseguirem se livrar da dependência e contribuem para manter o preconceito contra os dependentes e mesmo contra as clínicas e comunidades terapêuticas. Enfim, cria-se o tal conceito: se o fulano e o cicrano conseguiram parar, por que tem-se que internar? Isto é, mantem-se o estigma da falta de vergonha.
 
     Realmente é correto se afirmar:  “O dependente químico ou o alcoólatra  somente pára se ele quiser." Portanto não adianta o pai querer, o tio pedir, a casa dele cair, enfim, nada é capaz de fazer com que a pessoa deixe as drogas se essa vontade não partir dela. É uma decisão pessoal. O que acontece é que devido a determinados fatos, alguns tomam a decisão de parar por conta própria ou então recorrem a tratamentos.
 
     No caso daqueles que conseguem parar sem ajuda e sem tratamento, a  cura está muito condicionada a sua personalidade, podemos usar como exemplo: há pessoas que dizem: “não vou mais conversar com fulano” e nunca mais conversam! Portanto, há pessoas que dizem: “não faço” ou “faço” e cumprem o prometido.  Enfim, muitos deixam o álcool ou as drogas sem necessitar de nenhum tratamento, por uma determinação pessoal.
 
     Pois bem, por que então muitos procuram tratamento e poucos conseguem de fato parar? Respondo da seguinte maneira: muitos que procuram entidades e clínicas, no seu íntimo não estão com a convicção deste propósito. Muitos que procuram tratamento vão por questões circunstanciais e momentâneas. Procuram tratamento para agradar à família; para recuperar o organismo; para fugir da polícia ou por motivos de dívidas, enfim, procuram por mil motivos menos o de, de fato, deixarem as drogas ou o álcool. Sendo assim, não vão conseguir mesmo vencer as drogas.
 
     O trabalho das comunidades terapêuticas e das clínicas é resgatar a auto-estima e trabalhar o emocional, no entanto, isto ocorre  a partir da permissão do paciente, porém sem esta convicção de deixar as drogas ou o álcool, não é possível fazer nada. 
 
     As clínicas ou tratamentos para dependentes químicos procuram ajudar àqueles que desejam de fato deixar as drogas, proporcionando-lhes uma melhor qualidade de vida. Isto é, ser um suporte emocional resgatando-lhes a força, através de uma análise e um propósito, para que o processo de abstinência não seja tão doloroso, como o que ocorre sem uma ajuda emocional e sem o conhecimento da doença e de suas conseqüências.
   

     Enfim, o pequeno índice de recuperação, se deve também ao fato de ter que haver um verdadeiro propósito daquele que deseja vencer as drogas ou o álcool, somando-se às questões bio-psico-sociais,  levando-se em consideração o histórico da pessoa, mas sobretudo, o seu verdadeiro desejo de parar de usar drogas.
 
          Revisão:
          Vera Lucia Cardoso
 
Ataíde Lemos; Poeta e Escritor
Autor dos Livros:
Drogas Um Vale Escuro Grande Desafio para Família
O Amor Vence as Drogas  
 

Publicado por Ataíde Lemos em 08/08/2009 às 15h39
 
06/08/2009 16h32
Os Efeitos da Lei Atual Sobre Drogas
 
     Quando se promulgou a nova Lei sobre drogas, fiz criticas sobre alguns pontos sobre ela e me parece que agora já se começam a ser comprovadas na prática. Na Lei anterior alguém que fosse pego portando, usando drogas era conduzida a delegacia e respondia o Artigo 12 ou 16 do Código Penal referente à Lei sobre Drogas. Aqueles que fossem enquadrados no Artigo 16 pagavam fiança e eram liberados respondendo em liberdade e aqueles que fossem enquadrados no Artigo 12 eram considerados traficantes, respondendo por crime hediondo. Segundo a Lei anterior todos eram conduzidos as delegacias não importando a condição econômica ou posição social. Por varias vezes a televisão mostrou pessoas públicas sendo conduzidas a delegacia.
 
      Pois bem, com a nova Lei praticamente acabou com o Artigo 16. Embora tenha mantido como crime o consumo de drogas o usuário pego usando drogas não é mais preso. Pois bem, na a prática não é isso que está ocorrendo: O policial da flagrante num jovem da alta sociedade consumindo drogas nada ocorre, contrariamente do que acontece quando da flagrante a um jovem pobre, este último é conduzido para delegacia e enquadrado no crime de traficante. Ai então fica lá a espera do juiz na esperança de conseguir ser considerado usuário. Enquanto isto fica meses ou anos na cadeia. As ultimas pesquisas sobre a questão dos presos envolvidos com drogas comprova o que relato. A grande maioria dos que são presos com posse de drogas 42% são com de menos de 100 gramas e 60% sem testemunhas. Abaixo os dados da pesquisa: fonte O Globo
 
 
Pesquisa traça perfil dos presos por tráfico de drogas
04/08/2009 - 15:10 (Paulo Mussoi)

     Tem sido cada vez mais comum, no Brasil e no mundo, a discussão a respeito da postura que as políticas sobre drogas devem ter com relação à diferenciação entre o uso e o tráfico de drogas. Debates sobre a flexibilização das sanções por porte e/ou uso estão na pauta da revisão da lei em diversos países, com especial destaque a Portugal, o primeiro de todos a descriminalizar oficialmente o porte de qualquer droga para consumo próprio. Aqui no Brasil o conceito é confuso: portar drogas ainda é crime passível de pena, mas não de prisão. Uma tipificação subjetiva, que gera confusão e abre as portas para a extorsão. Mas para quem pensava que é só nessa questão do uso e do porte que nossas leis são discutíveis, uma pesquisa encomendada pelo Ministério da Justiça, que será apresentada oficialmente amanhã, no Rio, mostra que as punições ao tráfico de drogas em si também andam carecendo de uma reflexão mais profunda.

     A pesquisa “Tráfico e Constituição: um estudo sobre a atuação da Justiça Criminal do Rio de Janeiro e do Distrito Federal no crime de tráfico de drogas” foi encomendada pelo Ministério ao Núcleo de Política de Drogas e Direitos Humanos da UFRJ. O trabalho foi coordenado pelas especialistas Luciana Boiteux e Ela Wiecko, e traz dados surpreendentes, principalmente para quem achava que o rigor das nossas leis contra o tráfico (considerado crime hediondo no Brasil desde 1988) era eficiente na repressão à distribuição de entorpecentes em larga escala no país. O que a pesquisa mostra é que a maioria dos condenados por tráfico no Brasil é de réus primários, que foram presos sozinhos, desarmados e com pouca quantidade de droga. Peixes pequenos, enfim, cujo encarceramento não influi uma vírgula na estrutura do tráfico e só contribui para aumentar o caos no nosso sistema penitenciário, cada vez mais especializado em "pós-graduar" criminosos de pequena monta nas artes do crime organizado, e tornar praticamente impossível a sua ressocialização.

         Segundo a pesquisa, o Brasil tem hoje 180 mil presos em regime fechado. Destes, 70 mil são condenados por tráfico de drogas, sendo 30 mil em São Paulo e 8 mil no Rio. No universo de condenados por tráfico no Rio entre outubro de 2006 a maio de 2008, o trabalho dos técnicos da UFRJ observou que:

- 84% são homens
- 66% são réus primários
- 91% foram presos em flagrante
- 60% estavam sozinhos quando foram presos
- Apenas 14% portavam armas no momento do flagrante e da prisão
- 38% foram presos com cocaína
- 54% foram presos com maconha
- 42% foram flagrados e presos portando menos de 100 gramas de maconha
- 58% estão condenados a penas de 8 anos ou mais de reclusão em regime fechado.
          Os resultados da pesquisa não param aí, e serão mais detalhados nesta quarta-feira no Viva Rio. Porém, um dos dados que mais chamou a atenção dos autores do trabalho foi o último da lista acima, sobre o percentual de condenados a mais de 8 anos de prisão.

          Isso mostra que temos nas cadeias uma massa de traficantes de pequena monta com condenações muito rigorosas. Pode ser um sinalizador de que é preciso repensar o perfil dessas prisões, tentar entender se isso está realmente resolvendo o problema do crime de tráfico, disse a advogada Luciana Boiteux, durante a apresentação preliminar da pesquisa, num evento realizado na sede da Firjan.

           Entre as propostas de revisão na lei que o estudo pode suscitar, ainda segundo Luciana, está a idéia de criar categorias diferenciadas de tráfico, a fim de gerar uma maior proporcionalidade de penas.
           Desde a Constituição de 1988, nossa lei vê o tráfico como crime hediondo e ponto. Não importa se o réu é primário, se usou armas ou não, nem se vendeu 100 gramas ou 100 quilos. As penas são pouco flexíveis, o que gera um desequilíbrio no rigor das punições. E isso é agravado pelo fato de que, na prática, como a pesquisa identificou, só vai pra cadeia quem vende droga no varejo - diz Luciana, sabedora de que, no Brasil, quem produz ou vende no atacado (os traficantes realmente da pesada), esses raramente são presos, que dirá julgados e condenados.

            Enfim, por si só a pesquisa reflete o que está ocorrendo com a atual Lei Sobre Drogas discriminando ainda mais o usuário de drogas pobre. Talvez se está foi a intenção da Lei está conseguindo seus objetivos que é discriminar e  tirar os usuários pobres de circulação, porém somente esqueceram que a prisão nada mais é do que uma faculdade e neste sentido está formando não usuários, mas traficantes em potenciais e muito mais perigosos.

Ataíde Lemos, poeta e escritor
Autor dos livros
Drogas Um Vale Escuro e Grande Desafio para a Família
O Amor Vence as Drogas

Publicado por Ataíde Lemos em 06/08/2009 às 16h32



Página 7 de 25 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]